Florestal

Nossas operações florestais estão organizadas para obter alta produtividade combinada com o equilíbrio socioambiental das regiões onde atuamos

Percentual de água reciclada e reutilizada nas operações industriais

Mudar visualizacão:

Porcentagem de empregados próprios provenientes de comunidade local ¹

Mudar visualizacão:

1. Empregados contratados cujo local de nascimento é o mesmo de trabalho (Estado).

Porcentagem de energia renovável utilizada

Mudar visualizacão:

Produção, plantio e doação de mudas

Mudar visualizacão:

1. Em viveiros próprios e terceirizados.

Quadro resumo – Inventário Carbon Footprint (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Quantidade de empregados próprios provenientes de comunidades locais ¹

Mudar visualizacão:

1. Não inclui a alta gerência.

Quantidade de resíduos não perigosos nas operações industriais, conforme o tipo de disposição final (toneladas)

Mudar visualizacão:

Quantidade de resíduos não perigosos, conforme o tipo de disposição final

wdt_ID Ano / Unidade Reúso Reprocessamento/reciclagem¹ Compostagem Aterro interno Aterro externo Outros

1. Sobre o aumento nos valores de reciclagem, em 2017: reciclamos 7,4 mil toneladas de lama de cal a mais em relação em 2016 pois conseguimos desenvolver um cliente da área de cerâmica que utilizava calcário e agora passa a comprar nossa lama de cal, isso nos possibilitou alavancar o número de reciclagem da lama em 2017; geramos 4,8 mil toneladas a mais de areia nas caldeiras, que foram integralmente reciclados e portanto aumentando a reciclagem em relação a 2016.; e aumentamos a venda de rejeitos (branco e marrom) em 2017. São rejeitos fibrosos que saem do processo em determinado momento, um nas peneiras do digestor (Rejeito marrom) e o outro na secagem durante a passagem pelo filtro de fibras (rejeito branco). Essas fibras são vendidas para fábricas de papéis para utilização na fabricação de papéis menos nobres.

Quantidade de resíduos perigosos nas operações industriais, conforme o tipo de disposição final (toneladas)

Mudar visualizacão:

Quantidade de resíduos perigosos, conforme o tipo de disposição final

wdt_ID Ano / Unidade Rerefino Reprocessamento/reciclagem Coprocessamento Incineração Aterro interno Aterro externo (Classe I)
Quantidade e disposição de resíduos gerados nas operações industriais (toneladas)

Mudar visualizacão:

Resíduos sólidos industriais enviados para aterros (kg/tsa)

Mudar visualizacão:

Resíduos sólidos industriais reaproveitados (%)

Mudar visualizacão:

Sequestro florestal (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Sólidos suspensos (kg/tsa)

Mudar visualizacão:

Tamanho das áreas de habitat protegido¹ (hectares)

Mudar visualizacão:

1. As áreas citadas compreendem áreas destinadas para fins de conservação (Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal). A restauração na Fibria é feita de acordo com o Protocolo do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica e o Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal da Universidade de São Paulo (Lerf/USP). A empresa mantém parceria com governos estaduais para proteção de Unidades de Conservação. As variações nos números são decorrentes principalmente de mudanças na área de arrendamentos, parcerias e fomento, que podem oscilar de um ano para outro, e de compra de terra, principalmente na Unidade Três Lagoas, para a expansão da capacidade produtiva da fábrica.

Total de emissões sem a queima de biomassa (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Total de energia elétrica consumida dentro e fora da organização (GJ)

Mudar visualizacão:

Total de energia elétrica gerada, consumida, comprada e exportada (MWh/tsa)

Mudar visualizacão:

Total de energia elétrica importada, gerada, exportada, consumida e plantas int. (MWh/ano)

Mudar visualizacão:

Total de espécies ameaçadas

Mudar visualizacão:

Total de investimentos com proteção ambiental na área Florestal (R$)

Mudar visualizacão:

Total de retirada de água por fonte nas operações florestais (m³)

Mudar visualizacão:

1. Observações sobre o consumo em 2016: (i) Aracruz: O viveiro é novo e estava em uma curva de aprendizado de 2014 até 2016, quando atingiu sua capacidade de produção. Esse aumento da produção de mudas demanda maior utilização de água. (ii) Jacareí: A baixa precipitação de 2014, exigiu o uso de mais água subterrânea no início de 2015, voltando a estabilidade em 2016. Porém, se somarmos os valores de ambos os anos, a variação é de cerca de 1%. (iii) Três Lagoas: Expansão da base florestal para atendimento à segunda linha de produção.
2. Em 2017, dois reservatórios para uso de água da chuva começaram a operar, um em Helvécia (BA), para abastecimento dos plantios de Aracruz, outro em Capão Bonito (SP), que abastece Jacareí. E em setembro de 2017, o viveiro que abastecia a unidade de Três Lagoas foi desativado e a Fibria começou a operar a fábrica de mudas, um viveiro altamente automatizado. Com a fábrica de mudas a unidade deixou de captar água para utilizar água da fábrica de celulose.

Valor monetário de multas ambientais significativas (R$)

Mudar visualizacão:

Valor monetário de multas ambientais significativas

wdt_ID Ano Pagas Pendentes por decisão
Variação da emissão de gases de efeito estufa provenientes da queima de biomassa (%)

Mudar visualizacão:

wdt_ID Ano Aracruz Jacareí Três Lagoas Total
Variação das emissões diretas de escopo 1 ¹ (%)

Mudar visualizacão:

1. A Fibria reporta as emissões diretas de suas operações industriais e florestais (Escopo 1 - fontes de emissão de propriedade da organização ou controladas por ela), da importação de energia (Escopo 2 - emissões geradas pela produção de energia elétrica consumida nas operações florestais e industriais da empresa) e de outras fontes atribuíveis à empresa, como o transporte em veículos não pertencentes à frota própria ou não controlados operacionalmente pela empresa (Escopo 3 - fontes de emissão que não são de propriedade da organização nem controladas por ela), utilizados para exportação de produtos e viagens de trabalhadores.

Variação das emissões diretas de escopo 2 ¹ (%)

Mudar visualizacão:

1. A Fibria reporta as emissões diretas de suas operações industriais e florestais (Escopo 1 - fontes de emissão de propriedade da organização ou controladas por ela), da importação de energia (Escopo 2 - emissões geradas pela produção de energia elétrica consumida nas operações florestais e industriais da empresa) e de outras fontes atribuíveis à empresa, como o transporte em veículos não pertencentes à frota própria ou não controlados operacionalmente pela empresa (Escopo 3 - fontes de emissão que não são de propriedade da organização nem controladas por ela), utilizados para exportação de produtos e viagens de trabalhadores.

Variação do total de emissões sem a queima de biomassa (%)

Mudar visualizacão:

Variação do total de emissões sem a queima de biomassa

wdt_ID Ano Aracruz Jacareí Três Lagoas Total
Volume de efluentes nas operações industriais (m³/tsa)

Mudar visualizacão:

Volume de madeira furtada (m³)

Mudar visualizacão:

Volume de água captado nas operações industriais (m³)

Mudar visualizacão:

Volume total de água reciclada e retirada nas operações industriais (m³)

Mudar visualizacão:

Área de conservação restaurada (hectares) – consolidado

Mudar visualizacão:

Área de conservação restaurada por unidade (hectares)

Mudar visualizacão:

Área florestal certificada (Cerflor/PEFC) (hectares) ¹

Mudar visualizacão:

1. A área contemplada pelos processos de certificação florestal leva em consideração a base florestal total na data da realização da auditoria de cada Unidade e não inclui 50% da Veracel.
2. A área não certificada abrange novos arrendamentos e regularização da documentação fundiária para inclusão futura na certificação. Em 2017 a Unidade Aracruz passou pelo processo de recertificação, revalidado por mais 5 anos - outubro/17 a setembro/22.
3. A área não certificada abrange novas terras adquiridas e arrendadas para a formação de florestas que abastecerão de madeira a nova linha de produção em Três Lagoas. Sobre a área certificada, anualmente a Fibria vem incluindo novas áreas no escopo de certificação. Em 2017, foram incluídos 26.086 hectares e retirados 1.545 hectares (repassado para gestão de fundos de investimentos).

Área florestal certificada (FSC) (hectares) ¹

Mudar visualizacão:

1. A área contemplada pelos processos de certificação florestal leva em consideração a base florestal total na data da realização da auditoria de cada Unidade e não inclui 50% da Veracel.
2. A área não certificada abrange novos arrendamentos e regularização da documentação fundiária para inclusão futura na certificação.
3. A área não certificada abrange novas terras adquiridas e arrendadas para a formação de florestas que abastecerão de madeira a nova linha de produção em Três Lagoas.
4. A certificação inclui as Licenças FSC®: FSC-C100042, FSC-C100704,
FSC-C110130, FSC-C104120 e FSC-C102372.
Texto explicativo: Em Três Lagoas anualmente a Fibria vem incluindo novas áreas no escopo de certificação. Em 2017, foram incluídos 26.086 hectares e retirados 1.545 hectares (repassado para gestão de fundos de investimentos).
Em 2017 a Unidade Aracruz passou pelo processo de recertificação, revalidado por mais 5 anos - outubro/17 a setembro/22.

Área florestal total certificada (hectares) ¹

Mudar visualizacão:

1. A área contemplada pelos processos de certificação florestal leva em consideração a base florestal total na data da realização da auditoria de cada Unidade e não inclui 50% da Veracel.
2. A área não certificada abrange novos arrendamentos e regularização da documentação fundiária para inclusão futura na certificação. Em 2017 a Unidade Aracruz passou pelo processo de recertificação, revalidado por mais 5 anos - outubro/17 a setembro/22.
3. A área não certificada abrange novas terras adquiridas e arrendadas para a formação de florestas que abastecerão de madeira a nova linha de produção em Três Lagoas. Sobre a área certificada, anualmente a Fibria vem incluindo novas áreas no escopo de certificação. Em 2017, foram incluídos 26.086 hectares e retirados 1.545 hectares (repassado para gestão de fundos de investimentos).

Índice de Aproveitamento Interno (%)

O índice retrata a quantidade de vagas preenchidas por empregados próprios em cada um dos níveis.

Mudar visualizacão:

Índice de Desempenho Ambiental (IDA) ¹ – detalhado (%)

Mudar visualizacão:

1. O Índice de Desempenho Ambiental (IDA) é uma ferramenta de gestão que avalia a qualidade do produto com base em três indicadores: controle de poluição, prevenção à poluição e gestão ambiental, cada um com peso específico na composição final do índice.

Índice de Desempenho Ambiental (IDA) ¹ – consolidado (%)

Mudar visualizacão:

1. O Índice de Desempenho Ambiental (IDA) é uma ferramenta de gestão que avalia a qualidade do produto com base em três indicadores: controle de poluição, prevenção à poluição e gestão ambiental, cada um com peso específico na composição final do índice.

Índice de Desempenho Ambiental Geral (IDA) ¹ – por unidade (%)

Mudar visualizacão:

1. O Índice de Desempenho Ambiental (IDA) é uma ferramenta de gestão que avalia a qualidade do produto com base em três indicadores: controle de poluição, prevenção à poluição e gestão ambiental, cada um com peso específico na composição final do índice.

Consumo específico de água nas operações industriais (m³/tsa)

Mudar visualizacão:

1. Dados não disponíveis em 2011 e 2012.

Consumo específico do vapor (GJ/tsa)

Mudar visualizacão:

Consumo total de energia direta de fontes não renováveis (GJ)

Mudar visualizacão:

Consumo total de energia direta de fontes renováveis (GJ)

Mudar visualizacão:

Consumo total de energia direta dentro da organização

Mudar visualizacão:

DBO¹ nos efluentes industriais (kg/tsa)

Mudar visualizacão:

1. Demanda Bioquímica de Oxigênio.

DQO¹ nos efluentes industriais (kg/tsa)

Mudar visualizacão:

1. Demanda Química de Oxigênio.

Descarte total de água nas operações industriais (m³)

Mudar visualizacão:

1. Tratamento: Lagoas de aeração (Biológico) e Destinação: Oceano Atlântico.
2. Tratamento: Lodo ativado duplo estágio e Destinação: Rio Paraíba do Sul.
3. Tratamento: Lodo ativado com aeração prolongada e Destinação: Rio Paraná.
4. Os valores de 2013 para Três Lagoas foram atualizados por uma revisão do cálculo.

Distribuição dos modais no transporte de madeira, por volume transportado (m³)

Mudar visualizacão:

Distância média entre colheita e fábrica (km) ¹

Mudar visualizacão:

1. Distância média, medida em km, leva em consideração apenas madeira de áreas próprias, arrendadas e/ou parcerias.
2. Houve uma correção das distâncias de Jacareí no ano de 2016.

Emissão de gases de efeito estufa provenientes da queima de biomassa (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Emissão total de gases de efeito estufa ¹ (Escopos 1, 2 e 3) (tCO₂e)

Mudar visualizacão:

1. A Fibria reporta as emissões diretas de suas operações industriais e florestais (Escopo 1 - fontes de emissão de propriedade da organização ou controladas por ela), da importação de energia (Escopo 2 - emissões geradas pela produção de energia elétrica consumida nas operações florestais e industriais da empresa) e de outras fontes atribuíveis à empresa, como o transporte em veículos não pertencentes à frota própria ou não controlados operacionalmente pela empresa (Escopo 3 - fontes de emissão que não são de propriedade da organização nem controladas por ela), utilizados para exportação de produtos e viagens de trabalhadores.
2. Alguns dados foram atualizados.

Emissões de logística (celulose) (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Emissões de NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas (kg)

Mudar visualizacão:

wdt_ID Ano / Unidade NOx (emissões diretas) SOx (emissões diretas) Material particulado (MP) Outras (TRS)
Emissões de substâncias que destroem a camada de ozônio (kg)

Mudar visualizacão:

Emissões de substâncias que destroem a camada de ozônio

wdt_ID Ano / Unidade NOx (NO e NO₂) SOx (SO₂ e SO₃) Gás 141 B (SUVA) Gás 134 A (SUVA) Gás R-22 (FREON) Gás SUVA 404A, 407C e 410A
Emissões diretas de escopo 1¹ (toneladas de CO₂e)

Mudar visualizacão:

1. A Fibria reporta as emissões diretas de suas operações industriais e florestais (Escopo 1 - fontes de emissão de propriedade da organização ou controladas por ela), da importação de energia (Escopo 2 - emissões geradas pela produção de energia elétrica consumida nas operações florestais e industriais da empresa) e de outras fontes atribuíveis à empresa, como o transporte em veículos não pertencentes à frota própria ou não controlados operacionalmente pela empresa (Escopo 3 - fontes de emissão que não são de propriedade da organização nem controladas por ela), utilizados para exportação de produtos e viagens de trabalhadores.
2. Alguns dados foram atualizados.

Emissões diretas de escopo 2¹ (toneladas de CO₂e)

Mudar visualizacão:

1. A Fibria reporta as emissões diretas de suas operações industriais e florestais (Escopo 1 - fontes de emissão de propriedade da organização ou controladas por ela), da importação de energia (Escopo 2 - emissões geradas pela produção de energia elétrica consumida nas operações florestais e industriais da empresa) e de outras fontes atribuíveis à empresa, como o transporte em veículos não pertencentes à frota própria ou não controlados operacionalmente pela empresa (Escopo 3 - fontes de emissão que não são de propriedade da organização nem controladas por ela), utilizados para exportação de produtos e viagens de trabalhadores.
2. Alguns dados foram atualizados.

Emissões específicas – consolidado (kg/tsa²)

Mudar visualizacão:

Emissões específicas (consolidado)

wdt_ID Ano / Unidade AOx Material particulado SO2 NOx TRS
Emissões florestais (operações + transportes) (tCO₂eq)

Mudar visualizacão:

Energia elétrica comprada (GJ)

Mudar visualizacão:

Energia elétrica comprada

1. Valor de 2016, para Jacareí, atualizado.

Poupança florestal por área contratada (hectares)

Mudar visualizacão:

1. Unidade vendida em 2012.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Fósforo total nos efluentes industriais (kg/tsa)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos – não perigosos¹ (m³)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - não perigosos

wdt_ID Ano Aracruz - Aterro (resíduo classe II) Jacareí² - Aterro (resíduo classe II) Três Lagoas - Aterro (resíduo classe II) Aracruz - Outros (efluentes, fossas) Jacareí² - Outros (efluentes, fossas) Três Lagoas - Outros (efluentes, fossas)

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Geração e destinação de resíduos – não perigosos ¹ (peças)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - não perigosos (peças)

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Geração e destinação de resíduos – não perigosos ¹ (toneladas)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - não perigosos (toneladas)

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Geração e destinação de resíduos – perigosos¹ (litros)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - perigosos (litros)

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Geração e destinação de resíduos – perigosos¹ (peças)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - perigosos (peças)

wdt_ID Ano Aracruz - Reciclagem (tambores, lâmpadas, baterias automotivas) Jacareí² - Reciclagem (tambores, lâmpadas, baterias automotivas) Três Lagoas - Reciclagem (tambores, lâmpadas, baterias automotivas) Aracruz - Reutilização (toalhas industriais) Jacareí² - Reutilização (toalhas industriais) Três Lagoas - Reutilização (toalhas industriais) Aracruz - Destinação Embalagem de Defensivo Jacareí² - Destinação Embalagem de Defensivo Três Lagoas - Destinação Embalagem de Defensivo

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Geração e destinação de resíduos – perigosos¹ (toneladas)

Mudar visualizacão:

Geração e destinação de resíduos - perigosos (toneladas)

1. Informações fornecidas por empresas especializadas responsáveis pela disposição de resíduos. A disposição é feita de acordo com o tipo.
2. Inclui Capão Bonito e Vale do Paraíba.

Indicadores ambientais – consolidado

Mudar visualizacão:

Indicadores ambientais (consolidado)

1. Emissões de uso de combustíveis fosseis nas fábricas (fontes estacionárias).
2. Emissões dos escopos 1, 2 e 3 (totais Fibria). A meta 2017 não está disponível porque o valor foi determinado ao longo do ano.

Intensidade de emissões de gases de efeito estufa¹ (toneladas de CO₂eq/tsa)

Mudar visualizacão:

1. Inclui escopos 1, 2 e 3. Gases considerados: CO₂, CH₄ e N₂O; "tsa" é a sigla para "tonelada seca ao ar"
2. Em 2017, a empresa iniciou a segunda linha de produção de celulose em Três Lagoas (MS). Nessa unidade também foi realizado o Overhaul do turbogerador aumentando o consumo de energia elétrica. Em contrapartida, também aumentamos o consumo de celulose. Além disso, adequamos os cálculos de emissões de biomassa, que vinham tendo uma dupla contagem em dos processos.

Intensidade energética (GJ/tsa)

Mudar visualizacão:

  • GRI 301-1
Materiais utilizados¹, por peso e volume

Mudar visualizacão:

Materiais utilizados, por peso e volume1

wdt_ID Ano / Unidade Adubos (corretivo, foliar, manutenção, orgânico) - ton Adubos (corretivo, foliar, manutenção, orgânico) - litro Defensivos (bactericidas, fungicidas, inseticidas e outros) - litro Defensivos (bactericidas, fungicidas, inseticidas e outros) - kg Defensivos (herbicidas) - litro Defensivos (herbicidas) - kg Formicidas - ton Lubrificantes (óleo lubrificante) - litro Lubrificantes (graxa) Substrato

1. Materiais não renováveis
2. Maior volume de atividades relacionadas ao controle de lagartas (aumento no uso de defensivos (bactericidas, fungicidas, inseticidas e outros); maior volume principalmente por maior plantio no ano (aumento no uso de defensivos (herbicidas); maior raio médio transporte, gerando maior consumo de lubrificantes e graxa.
3. O aumento do consumo de herbicidas se deu, entre outras razões, pelo aumento da área capinada no ano. A geada ocorrida em Capão Bonito, em 2016, teve como consequência a existência de áreas "abertas" em 2017 com maior necessidade de aplicação de herbicidas. Em Guararema, houve alta infestação de folha larga e consequente maior consumo de herbicida líquido.

Mecanismo de registro de demandas sobre impactos ambientais

Mudar visualizacão:

1. Arquivado: foi considerado improcedente e fora do escopo.
2. Tratado: foi considerado procedente e parcialmente procedente.

Nitrogênio total nos efluentes industriais (kg/tsa²)

Mudar visualizacão:

Número de municípios de atuação ¹

Mudar visualizacão:

1. Considerando Áreas Próprias, Arrendamentos, Parcerias, Fomento e Compra de Madeira.

Percentual de abastecimento

Mudar visualizacão:

1. Unidade vendida em 2012. A madeira colhida foi destinada para a fábrica de Aracruz.
2. Devido à expansão de Três Lagoas, as atividades de silvicultura têm aumentado gradativamente desde 2015. O plantio anual foi aumentando ano a ano até atingir seu pico em 2017. O aumento nas atividades de silvicultura tende a permanecer até 2021 quando completaremos 7 anos do aumento de volume em 2015. Porém como o consumo de insumos é menor nas fases de manutenção ano a ano, o impacto (aumento) também será mais brando com o passar dos anos. O volume transportado de Três Lagoas aumentou para atender à demanda da segunda linha de produção, elevando assim o estoque de madeira no Pátio. Mesmo assim o percentual de abastecimento caiu bastante, já que este volume foi diluído pelo aumento o volume total posto fábrica quando comparado com os meses anteriores, também para atendimento da segunda linha de produção.